mancheia

"Livros, discos, vídeos à mancheia! E deixe que digam, que pensem, que falem..."

segunda-feira, fevereiro 25, 2008

Acústico?

Li num blog ontem que o Skank adiou o projeto Acústico MTV e já está se dedicando a um novo de inéditas. Atitude bacana e artisticamente corajosa. Mas por que digo isso? Explico.
Bom, o formato acústico tem se tornado muleta para artistas com carreiras decadentes e até mesmo para lançamento no mercado de "produtos musicais". Para ilustrar muito bem isso, basta visitar algumas lojas de discos por aí (as poucas que sobraram): além das seções ROCK, SAMBA, POP, FORRÓ e outros, há a seção ACÚSTICO. Genducéu, ACÚSTICO não é um gênero musical, mas uma maneira de apresentar a música.
(Analisando grosseiramente, acústico seria tudo que não é elétrico, tudo que pode ser tocado sem a necessidade de amplificação. Portanto, o violão é um instrumento acústico, enquanto a sua irmã, a guitarra, é um instrumento elétrico. Agora, se a gente for analisar direitinho isso tudo, a partir do momento que ligou na tomada, deixou de ser acústico? Meu Deus, então nenhum desses discos aí na praça é acústico???)
Outra questão que me martela a cachola é o fato de artistas predominantemente acústicos lançarem acústicos. Ou seja, proposta artística inovadora ZERO. É só desculpa pra lançar um disco ao vivo com sucessos vários? Qual a diferença entre um disco "normal" de Zeca Pagodinho e um acústico dele, tirando a platéia?
Na minha mais que humilde opinião, interessante seria o acústico de bandas/artistas que têm, como característica de seu trabalho, timbres diferentes e às vezes avessos ao acústico. Exemplos? Radiohead, Pato Fu, Metallica, U2, Dream Theater, White Stripes, Lou Reed...
Fiquem à vontade, Queridas e Queridos. Comentários? Sugestões? Tratar aqui.
Ósculos e amplexos para quem for de.
Alex Manzi.
p.s.: o Skank faria um acústico interessante, mas acho que teremos que esperar até 2010. Problema não; eu aguento.

10 Comments:

Anonymous Diogo Freire said...

Nirvana tá aí pra nos mostrar com quantos paus se faz um acústico.

De fato eu não gosto dessa onda. Se é diferente, é diferente. Por favor, re-harmonizem e adaptem tudo que foi feito pra a devida proposta. Reler tocando as coisas no violão não tá pra ninguém.

Assim foram os antigos. Gilberto Gil, Jorge Ben, Legião e por aí. Passou dos Titãs, a onda brazuca virou mídia na MTV.

Eu gosto muito do formato gringo de Acústico. Veja o da Alicia Keys e você se impressionará. E isso pra mim é acústico bem feito.

5:59 PM  
Blogger felipe said...

O grande lance dos acústicos, é levar a marca da MTV. Provavelmente, se emplacássemos a bolacha por um selo qualquer, escrito ACÚSTICO de todo tamanho na capa, certamente os efeitos seriam bem diferentes.

Decerto q a MTV goza de uma reputação extraordinária dentre os alienados culturais. Falamos, aqui, de uma emissora que teve seus primórdios baseados em uma alternativa ao fascismo cultural imposta pelas demais e, hoje, tem um potencial de alienação assustador.

Então, o que ela faz? Convoca o artista (às vezes) com a carreira debilitada, porém de potencial comercial e com um alto poderio de recursos técnicos grava o acústico e o show para, então, passar shots do referido incessantemente durante sua programação.

Uai...
Desse jeito, até eu, gravando um acústico tocando Ciranda Cirandinha... alcançava o top da Billboard em 1 mês de venda!


AHAHAHAHA

Gde abraço, meu velho
Felipe Fernandes

6:20 PM  
Blogger Leonardo O. de Vasconcelos said...

Concordo com o caro amigo Manzi. Os acústicos da MTV realmente plasmaram-se para um gênero musical, aliás, os acústicos da MTV estão em constante luta com os shows (em DVD) do canal MultiShow, p.ex.: DVD ao vivo Ivete Sangalo que foi campeão de vendas tanto para o mercado legal quanto para o ilegal - para alegria dos camelôs. A grande jogada aí é re-vender aquilo que já foi posto no mercado, colocar outra "roupagem" faz descer goela abaixo aquilo que já está tocando. Mas nada contra os acústicos e sim contra a industrialização massificada da arte. UFA !!! Abrazz

7:18 PM  
Blogger Thaís said...

Na verdade acho que o acústico também serve bem como uma coletânea, só que com uma roupagem bem descolada da grife MTV. Que aliás, não tem nada de alienadora...

Mas realmente não precisava se chamar acústico. Se bobear, foi por isso que eles também criaram o MTV Ao Vivo...

De qualquer forma, eu ouviria um acústico Skank cm prazer. plugado ou desplugado... hahaha

8:16 PM  
Blogger Alex Manzi said...

Salve, Didi!

O acústico do Nirvana foi interessante. Inclusive saiu agora uma edição caprichada em dvd.

Falando em acústico lá de fora, não posso deixar de lembrar o de Eric Clapton, que, de certa forma, iniciou tudo. Ele até rearranjou e tornou irreconhecível o maior hit dele, Layla, além daqueles blues maravilhosos que ele tocou.

Volte sempre, Querido. Servimos bem para servir sempre.

Abraço apertado.

4:01 PM  
Blogger Alex Manzi said...

Felipão. Bão você por aqui.

Bich, eu acho que a MTV usa o seu poder para o bem e para o mal. Eu acho algumas coisas lá bem alienantes, mas tenho informação musical por ela também. A velha "faca de dois legumes".

Eu acho que muita gente usa o nome de "acústico" em seus lançamentos justamente para entrar na onda mercadológica de vender muito. E se beneficia do recém-criado "gênero musical". É triste vermos tanta idéia bacana jogada no lixo. Foda. O mercadão me angustia cada dia mais.

Hey, dude! Apareça mais e divulgue seu blog aqui. Não consegui acessar o perfil.

Grande Abraço.

4:08 PM  
Blogger Alex Manzi said...

Léo, meu violinista preferido!

Bich, é isso mesmo...

Fiquei sabendo que o dvd de Ivete Sangalo foi o mais vendido no mundo! Isso com os números da gravadora. Imagine se formos contar o mercado ilegal...

Outro dia eu estava pensando nesses "produtos" do Multishow. Serão bons rivais da MTV. A Globo não perde tempo mesmo. Descobriu o filão de música pop da eme-tê-vê e quer o seu quinhão. Guerra!

Valeu pela chegada até aqui, Filósofo.

Abrazão.

4:14 PM  
Blogger Alex Manzi said...

Thaizona.

Os acústicos seriam coletâneas de luxo, bem produzidas e AO VIVO. Todo mundo sabe que disco ao vivo vende bem mais que o de estúdio. Prova disso é que as bandas de ritmos, digamos, mais populares (axé, pagode, sertanejo), não se cansam de lançar discos ao vivo um atrás do outro.

O mal é fazer disso um meio de ganhar grana fácil. Não me soa honesto. Mas o que é honesto no mundo pop? Isso é discussão pra um post, né?

Veio-me agora à cabeça o fato de Lulu Santos (que eu adoro) ter feito um Acústico e um MTV Ao Vivo. Ele pelo menos fez diferente muita coisa em cada um deles. E mudou um pouco o repertório. As abordagens foram bem diferentes, justificando o uso dos dois "veículos".

Eu também adoraria um acústico do Skank, mas também quero um de inéditas. Esperemos, pois.

Tô sempre no seu blog. Kissas.

4:21 PM  
Blogger Thaís said...

O que é honesto no mundo pop?
Eu respondo: tudo!
Pop é pop! e "pónto".

No mais, eu vi na não tão sincera, porém honesta com seus ideais, revista Veja, que Padre Marcelo vendeu muuuuuito mais que Ivete Sangalo.

1:05 AM  
Blogger Alex Manzi said...

Dessa eu não sabia. O Padre vendeu mais em dvd que ela?

Ê Brasil cheio de fatos interessantes...

11:43 PM  

Postar um comentário

<< Home