mancheia

"Livros, discos, vídeos à mancheia! E deixe que digam, que pensem, que falem..."

domingo, março 30, 2008

Espetáculo?

Qualquer fanático é por vezes um chato. Sou fanático por música e cinema e fanático por espinafrar o fanatismo alheio. Então, sou um chato também.
Semana passada o Atlético, o tal galo mineiro, comemorou seu centenário. Meus mais sinceros parabéns. Que comemore mais cem. A movimentação toda por conta disso (buzinaços, vigílias de torcedores, foguetório e etceteras) ressuscitou algumas questões que já moravam em mim.
Muitos, mas muitos torcedores encaram a paixão pelo time como religião. E muita gente, por causa da religião, MATA e MORRE. Esses, não hesito em classificar como IMBECIS, na falta de palavra mais adequada. Ouve-se muito falar no futebol como um espetáculo, como um show. Pois é. Devia ser assim, MAS NÃO É MESMO.
Quando já se viu um roqueiro fã do Sepultura atacar outro só porque este vestia uma camiseta de outra banda? É claro que brigas e afins também acontecem em shows musicais, mas elas nada têm a ver com fanatismo religioso.
(Antes que alguém pergunte: sim, sou simpático ao CRUZEIRO, maior rival do Atlético aqui em BH. Mas digo que tudo escrito aqui vale para cruzeirenses, flamenguistas, corintianos, religiosos em geral. Ademais, nem o nome do goleiro do Cruzeiro eu sei. Só acompanho nas finais; sou oportunista e interesseiro.)
A discussão que procuro levantar é que: sim, o futebol deveria ser levado como uma banda da qual se gosta, um filme que se assiste. DIVERSÃO. O que atrapalha é que nunca os torcedores conseguem ser imparciais quando o assunto é futebol. E esse tipo de comportamento anula qualquer tipo de discussão séria e sadia sobre uma partida de futebol e congêneres. É essa a coisa chata do bolo todo. O legal seria uma conversa entre os torcedores dos times A e B desse jeito:
A: Pôxa, cara. Fiquei triste pois A não jogou bem. Mas o seu time mereceu a vitória. Parabéns.
B: Obrigado, cara. Nós realmente jogamos melhor.
A: Mas você não acha que aquele pênalti a favor de vocês foi mal marcado?
B: Agora que você tocou no assunto e, vendo o replay do lance, eu concordo. O Fulano se jogou. Claramente. O juiz errou a nosso favor.
A: É... Mas foi um bom jogo.
Com certeza estou pedindo demais, sonhando, e o texto acima vai fazer parte de uma antologia de ficção científica. Infelizmente isso tudo não vai mudar. E o chamado "espetáculo" terá mais palhaços e feras selvagens que mágicos.
Ósculos e amplexos para quem for de.
Alex Manzi.

13 Comments:

Blogger Thaís said...

Ih, que papo chato, hein?
Fala disso qdo sair na capa do jornal que o cara morreu à chutes.

Deixa eles comemorarem e serem felizes.

No mais, se essa conversa entre A e B existir um dia, o futebol perderá metade da graça.

12:11 AM  
Anonymous Anônimo said...

Olá!

Concordo com você, acho de tamanha imbecilidade a selvageria praticada pelos ditos "adoradores" do futebol. Com certeza existem torcedores civilizados e que se classificam como amantes de tal esporte. Talvez poucos, não sei. Será pedir demais? Temos que caracterizar a paixão com agressividade em qualquer âmbito? Não acredito nisso. Acredito que devemos SIM discutir sobre tais atos.
E mais: Será que é preciso ilustrar aqui com notas de jornais as mortes motivadas pela ânsia estúpida dos "leais" a camisa?
De repente a discussão passa a ter mais "colorido".
Comemorem, celebrem sim, mas com polidez. E viva a GRAÇA da cortesia futebolística!

P.S: Parabéns aos Atleticanos.

ósculos pra ti.

9:37 AM  
Blogger Alex Manzi said...

Thaizona...

Acho que ocê não entendeu. Eu não estou condenando a comemoração não. Tanto que dei meus parabéns ao time. Só usei a comemoração para refletir sobre certos absurdos.

Eu condeno - e sempre vou condenar - o fanatismo de muitos e muitos torcedores que matam, morrem e brigam pelo time, por essa "paixão" desmedida e irracional. Imbecis mesmo.

Discordo de você na questão do diálogo entre A e B. Eu acho que, se esse diálogo existisse, aí sim, teria mais graça, pois o debate seria possível.

Beijoca. E, como sempre, volte sempre.

5:37 PM  
Blogger Alex Manzi said...

Olá, Anônimo (a)!

Obrigado pela visita.

Pois é. O que não me entra na cabeça é essa selvageria que muitos e muitos torcedores praticam em nome de um time. Quem dera fossem tão mobilizados assim pra reivindicar direitos e na hora de exercer sua cidadania.

Repito: não condeno a comemoração. Além disso, a experiência de estar na torcida de um estádio cheio é algo indescritível.

Mas devia parar por aí. Nada de ônibus quebrados, arrastões, brigas, gritarias dentro de coletivos comuns, enchendo o saco de gente que não quer participar do alvoroço.

Sim à PAIXÃO. Sempre. Mas com bom senso.

Ósculos pra você também. E volte sempre.

5:43 PM  
Anonymous Diogo Freire said...

Queridão!

Postei palavras parecidas, mas menos polidas no meu blog.

http://wimps-hurra.com.br.iwi.com.br/index.php/clube-atletico-mineiro/


Eu não sou tolerante com a violência imbecil, intransigência e falta de bom senso. Como você disse, isso era pra ser diversão. Pra mim é um esporte burro, que deve ser curtido por seres a altura.


Grande abraço.

9:11 PM  
Anonymous Diogo Freire said...

Novamente, corrigindo o problema com o link:

http://wimps-hurra.com.br.iwi.com.br/index.php/clube-atletico-mineiro/

9:12 PM  
Anonymous Anônimo said...

Oi primo,

Concordo plenamente com voce, o fanatismo por qualquer coisa q seja, é muito chato. Claro que o ideal é sempre o equilíbrio, nada de menos nem a mais. Será que um dia chegaremos lá? Sei nao... pra falar a verdade acredito que nao, apesar de querer ter esperanças...
Ter opinioes é muito bacana, porém tudo tem seu limite, nada de ultrapassar o espaço do outro.

Beijos....

Dani

8:08 AM  
Blogger Meu Neguinho said...

Ei Alex, post polêmico, né? Vamos por partes:

1. Acho o futebol um esporte fantástico. É o único onde ocorre a possibilidade de uma equipe mais fraca vencer uma mais forte graças a atuação do Sobrenatural de Almeida, esse imprevisível senhor que adora burlar as frias previsões estatísticas.

2. Ao contrário do que diz a Thaís, eu conheço pessoas que tem diálogos como o que rolou entre A e B. Inclusive sou uma delas. E nem por isto o futebol perde a graça/emoção. O que realmente f#@e o futebol são entidades como Eurico Miranda, Simom, Galvão Bueno, Ricardo Teixeira e outros bichos.

3. Toda forma de violência é abominável e deve ser reprimida. Em último caso até mesmo com o uso de força bruta.

4. Parabéns ao Galo por seu centenário. Mas fico triste com sua direção, na pessoa do Seu Leôncio, que não dá uma dentro e só fala abobrinha.

5. ZÊÊÊÊÊÊROOOOO!!!!!!

6. O goleiro do Cruzeiro é o Fábio.

7. Apesar de se azul até na alma, gostaria de ver outros times de Minas em boa situação, incluindo aí o Galo, o Meca, o Ipatinga, ... O futebol só tem a ganhar.

9:05 PM  
Blogger Alex Manzi said...

Didi Queridão!

Eu vi o seu texto no blob e devo dizer que gostei. Até palpitei por lá, você viu.

Por vezes tenho raiva do esporte por conta desses seres meio rudimentares, mas aí lembro da Copa do Mundo e volto a sonhar.

Volte sempre. Abraço apertado.

1:48 AM  
Blogger Alex Manzi said...

Dani Querida!

Surpresa boa você por aqui. Volta mais, tá?

Eu concordo com você sobre o equilíbrio. Ele realmente seria o ideal. Mas, somos humanos e, como tais, passíveis de desequilíbrios momentâneos. O que faz da busca por comedimento algo incessante e permanente. Façamos, pois.

Não ao fanatismo. Sim à paixão pelo equilíbrio.

Beijoca doce.

1:52 AM  
Blogger Alex Manzi said...

Ivanovitch Neguinho!

Eu também acho o ludopédio uma graça. Principalmente a Copa do Mundo, uma de minhas diversões preferidas, com ou sem Brasil.

Acho que esses exus que cê citou são nocivos ao esporte, bem como os torcedores-encostos que eu citei. Saravá!

Obrigado pela informação sobre o goleiro. Agora faltam os outros 10. Eu acompanhava o Cruzeiro desde o começo (leia-se saber escalação, ir a todos os jogos, ser chato fazendo cálculos sobre classificação, etc) na época de Balu, Ademir (meu ídolo maior) e Careca. Hoje, como disse no post, só nas finais.

Também torço pelos times de Minas pra gente ser mais visto por esse rincão de meu Deus. Cheguei até a torcer pelo Atlético na final contra o Corínthians num desses brasileiros aí pra trás.

No mais, Gerais. Volta mais. Estarei esperando.

Abraçocas.

1:59 AM  
Anonymous Anônimo said...

Alex,só mesmo você! Sabe aquela coisa do A com o B?Lembrei-me do namoro do "meu tempo" que já passou há muito:
-posso pegar na sua mão?
-pode sim, mas só um pouquinho.
-você disse na mão...
-ah,desculpe o mal jeito.
Tudo bem organizado , perguntas e respostas educadas. A alma e a paixão não contam, viu? Nazareth.

1:49 PM  
Blogger Alex Manzi said...

Naza, sumida! Que bom que apareceu...

A diferença é que nesse namoro, as duas partes querem chegar ao mesmo lugar, mesmo que uma delas não pareça querer. E, um dia, acabam chegando.

No diálogo A-B nem sempre se chega a algum lugar, pois muitas vezes uma ou ambas as partes não estão dispostas.

Beijo, Querida. Alma e paixão sempre.

10:58 PM  

Postar um comentário

<< Home